Estação Virtual

 

 

titcurtacircuito.gif (1703 bytes)

Alice Gomes

Por onde andam os curtas que sempre iniciavam uma sessão de cinema? Nas décadas de 70 e 80 a lei de exibição no Brasil determinava que cada longa-metragem apresentado devia ser precedido de um curta nacional, e os produtores dos curtas tinham direito à dois por cento da bilheteria. A lei podia agradar aos realizadores, mas não ao público que pagava para ver um filme e era obrigado a assistir a um curta que não tinha nada a ver com o filme escolhido e muitas vezes era de baixa qualidade. E agradava menos ainda aos exibidores, que tinham que dividir seus lucros.

"Os exibidores nunca se conformaram com esta lei e como eram eles quem escolhiam os curtas a serem exibidos alguns chegaram a produzi-los só para ficar com os dois por cento. Foi aí que a qualidade ficou muito comprometida, quase sempre estes filmes eram péssimos e o público ao invés de se aproximar da produção de curtas se distanciou", conta Adriana Rattes , diretora do Estação Botafogo. "No final dos anos 80 houve uma tentativa de melhorar esta lei e a Fundação do Cinema Brasileiro ficou encarregada de programar criteriosamente os curtas para os cinemas. A qualidade melhorou, mas o projeto foi definitivamente liqüidado pelo Governo Collor", completa Adriana. A dita lei ainda existe, mas deixou de ser cumprida.

Com tudo isto a exibição de curtas-metragens ficou confinada aos festivais , mostras e TVs a cabo ou públicas. Mas a produção de curtas no Brasil não foi diretamente afetada com isto. Pelo contrário, se sofisticou, cresceu em número e melhorou em qualidade. Para promover o curta nacional, um dos melhores do mundo, o circuito Estação, que sempre se preocupou com o cinema alternativo e de qualidade, e o CTAV, Centro Técnico Áudio Visual da Funarte, que ficou com a estrutura da Fundação do Cinema Brasileiro, se uniram numa nova tentativa de unir público, cinema, curta e longa.

Durante os próximos três meses, todo filme que entrar em cartaz no circuito Estação será precedido de um curta brasileiro. A programação está a cargo do CTAV, que pretende apresentar um panorama dos melhores filmes produzidos em diferentes épocas. O curta e o longa sempre terão alguma semelhança, seja temática, estética ou temporal. "O curta é o veículo por excelência da experimentação, da ousadia, da busca de novas idéias e também da iniciação de cineastas, atores e roteiristas. Difundi-lo é sempre uma questão no meio cinematográfico e nós como um circuito alternativo resolvemos experimentar à volta dos curtas à tela", diz Adriana. Muitas vezes um curta produzido no Rio, por exemplo, não é visto pelos cariocas, mas faz sucesso em festivais nacionais ou internacionais. Agora está sendo dada uma nova oportunidade tanto aos realizadores quanto aos espectadores.

"Queremos que nosso público tenha acesso ao curta-metragem e queremos saber, daqui a algum tempo, qual a opinião destes espectadores sobre o que exibimos. Por enquanto é só uma experiência, mas se tudo der certo será a volta da dupla aos cinemas e a popularização do curta nacional", prevê Adriana.

volta



Meow, de Marcos Magalhães


Esta não é a sua vida, de Jorge Furtado

 


Pornografia, de Murilo Salles e Sandra Werneck